Esta característica ocular curiosa é chamada de heterocromia e é um traço hereditário muito incomum, que costuma ser benigno, sem maiores complicações a não ser a questão estética.
No caso da heterocromia genética, a alteração é definida pelo gene EYCL3, que se encontra no cromossomo 15, que codifica a cor marrom (alta quantidade de melanina) ou azul (baixa quantidade de melanina) dos olhos de uma pessoa e pelo gene EYCL1, no cromossomo 19, que codifica as cores verde ou azul a partir de pigmentos de gordura.

Se a heterocromia é constatada no nascimento ou nos dias seguintes ao parto, é considerada de caráter genético, mas é possível que também tenha sido causada por outros fatores.
Quando a heterocromia é resultante de despigmentação ocular, pode estar associada à Síndrome de Waardenburg, disfunção em que a falta de um gene causa surdez. O mais comum é que seja indicativo de lesões oculares ocorridas com batidas, derrames e inflamações oculares ou de qualquer lesão ou doença que cause perda de melanina, o pigmento que dá, entre outros, a cor ao olho.
A heterocromia também pode referir-se à perda de pigmentação de uma zona especial da íris. A mudança de pigmentação dos olhos em adultos deve ser comunicada a um médico, já que pode estar associada à doença que necessite de tratamento.
Para a diferença de cor entre os olhos, não existe nenhum tratamento, e a única coisa a ser feita é utilizar lentes coloridas para igualar o pigmento.

Artistas com a doença:

David Bowie

David Bowie

Anúncios